31 de jan de 2011

Sou? Ou apenas pareço?



Tenho buscado saídas onde só você pode abrir  a porta.
Tenho corrido por longos caminhos chuvosos, e só você pode me proteger.
Tenho tentando ser o mais transparente que agora consigo, na tentativa de não te perder.

Tenho sido sincera no limite da dor.
Tenho feito de tudo pelo nosso amor.

Tenho sido tudo que qualquer um pode querer.
Estou sendo mais do que esperavas ver.

Estou correndo atrás de uma chance pra nós dois.
Estou tentando tudo pra não te perder depois.

Posso ser o que desejas, uma perfeição mulher.
Posso seguir todas as regras, do jeito que você quiser.

Te darei o meu melhor, para que todos vejam como tu sois feliz.
Mas por dentro estarei sozinha, não sendo nunca o que eu mesma quis. 

Gil Façanha

27 de jan de 2011

Epitáfio

Não quero acordar do meu sono.existe uma serpente em meu quintal,ela mora em uma árvore mágica que somente eu consigo enxergar.Nunca soube que os anjos choram,dizem que a tristeza no céu é diferente,as vezes os anjos olham para a Terra e se lembram que um dia caminhavam pela rua,brincavam na chuva..As vezes a saudade é tão grande que arrebenta o coração,fica então uma enorme fissura,que as vezes o tempo costura com um barbante e em vão,tentar curar esta dor.Quando se perde alguém,parte dela fica em nós,como aqueles carrapichos que cola na roupa,quando pulamos o quintal do vizinho para roubar goiaba.
É estranho ver a chuva cair em um dia ensolarado,não existe nuvens,talvez o céu azul esteja chorando ou aqueles anjos,sopram bolas de sabão e com o dedos estouram uma por uma e não conseguimos ver,por que estamos muito ocupados pensando em nós mesmo.. 

23 de jan de 2011

DEPRESSÃO

Meus olhos ardem a poeira que se acumulou durante o dia repousa suavemente em minhas pálpebras,meus joelhos doem,onde está você Deus que não ouve meus lamentos.A vidraça suja do meu quarto impede que eu veja as desesperança e a solidão nos rostos das pessoas,nos corpos sujos aparentemente limpos se esconde um passado que ninguém admite ter.Tudo são palavras ensaiadas,a natureza humana é fétida,quando se fere ao outro é como se passasse um lâmina nos punhos,o sangue que escorre e encharca o tapete alimenta o verme que se esconde na madeira podre do assoalho.Vasculho minha velha caixa de sapato,tenho medo de procura-la debaixo da cama,aquele mostro que me aterrorizava quando criança ainda deve está por lá,querendo sugar minhas forças.O medo do meu medo se esconde entre meus cobertores insuportavelmente com  cheiro de mofo,minha pele se esconde do sol,sou um zumbi que vaga sem rumo nesta terra perdida chamada 'EU"

Escrevo Assim

Agora Bastava Conhecer seu Doce sorriso E tudo Ficaria diferente.Gostaria de saber dos seus sonhos.Hoje cada pensamneto meu foi em sua direção.Indiferente a tudo isso você está.Joguei meu coração em direção das estrelas.Lembrei do seu jeito de menina quando sorrir.Nada é eterno isso eu sei.Mesmo assim guardarei todo meu carinho pra você.Ontem achei aquela sua foto.Parece que nada existi no cosmo além do meu amor por você.Quando sem querer estas palavras tocar seu coração.Renunciarei a mim mesmo.Te darei o Silêncio.Trocarei as ideias do mundo.Unicamente sentirei sua falta.Voltarei ao tempo,exatamente no dia que lhe conheci.Marcarei no calendário um ''X''esperando um novo dia em que poderei te ver.Neste meu alfabeto,não achei nenhuma palavra que começasse com "Z''sendo assim volto a letra''A'' e um novo alafabeto irei começar..

21 de jan de 2011

TANTO AMOR

Não me digas que mereço teu Amor,não me olhes como tua única razão de viver.Não sou teu horizonte,tente ver além deste caminho,existe folhas que o vento derrubou e nem percebes que a brisa lhe tocou.Não quero ver seu rosto coberto de lágrimas,não quero lembrar que hoje choveu e não pude ver as nuvens cinzas.Você é pétala de rosa que guardo em meu caderno,sem querer machuco seu coração,sem ao menos lhe tocar consigo te ferir.Guarde seu Amor,dele não sou merecedor,não fui criado pra ser amado,me deixe aqui só,ainda posso escutar a chuva cair e quando anoitecer sentirei saudades de você...

                                                                        Ronaldo Fernandes

20 de jan de 2011

Poeira No Vento

Eu fecho meus olhos
apenas por um momento
E o momento se foi
Todos os meus sonhos
passa diante dos olhos uma curiosidade
Poeira no vento
Tudo que eles são é poeira no vento

A mesma velha música
Apenas uma gota de água
Em um mar interminável (infinito)
Tudo o que fazemos
destroçando(esmigalhando) ao solo [cai em pedaços]
Embora nós nos recusamos a ver
Poeira no vento
Todos nós somos é poeira ao vento

Agora, não "espere ai!" / não desperdice o minuto
Nada dura para sempre
Apenas o céu e a terra..
Isso vai embora
E todo o seu dinheiro
Não comprará outro minuto
Poeira no vento
Tudo que somos é poeira no vento
Poeira no vento
Tudo é poeira no vento
o vento.

Kansas

17 de jan de 2011

Coisas Simples

Em um campo de girassóis sem que ninguém percebesse,havia uma pequena rosa que nascerá branca,de tão vergonhosa ficou vermelha,nas imensidão do universo uma pequena vela sonhava em ser uma estrela..A brisa se apaixonou pelo inverno e quis ser a Primavera em pleno mês de Julho,o sereno com ciúmes da noite chamou a chuva e escondeu a Lua do céu..Já não lembro de tua voz,tua imagem é um borrão um chão..Tua presença se vai sem olhar pra trás.

            
                                                   Ronaldo Fernandes

14 de jan de 2011

Amor ou hábitos?

Ela é uma menina sonhadora #FATO
E pessoas sonhadoras...
Precisam de alguém pra sonhar, e não pra viver...
Ela acreditava que toda essa coisa triste... Essa sensação de aconchego e conforto...
Todas essas palavras carinhosas... Todas essas caricias... Fosse AMOR...
Tinha paixão, fogo... Sedução...
Mas nada que não passasse de habito.
As juras de amor ao pé do ouvido: Habito.
Hábitos...
Até cansar... Amor ou hábitos?
Será sim pra sempre... As lembranças que ela guardara na memória.

Balão Azul

Entrarei no trigésimo quinto outono,quantos momentos o tempo de mim roubou,metade desta vida não vivida quase não me lembro..Fui por boa parte um tanto egoísta,me achava o centro do universo,olhei muito pra baixo,com certeza muitas coisas passaram sem que eu notasse..Experimentei as mais diversas sensações,experiências essas por muitas vezes amargas,outras doces..Não queria mudar quase nada desta minha"vida"hoje trago comigo o cansaço.ilusões.dores..
Uma coisa,uma só coisa me fez senti uma saudade,um balão azul..Nos meus cinco anos de idade,fui ao parque do Ibirapuera com meu pai,como dizem foi um dia bom,alias um dos poucos que me lembro,ao vim embora na saída comprei um balão azul,que voava naquela tarde ensolarada,que aos pouco foi se tornando cinza que terminou em tempestade..Mas meu balão azul continuava girando no ar..A noite chegou e tive que dormir e levei comigo pra cama o meu balão azul o amarrei na cabeceira da cama e a luz que via da sala refletia no balão azul.sonhei ser um piloto que viajava pelo mundo com meu balão..Quando acordei quis logo brincar com meu balão.olhei pra cima e ela não estava lá,será que o esqueci em meus sonhos..Ao calçar meus chinelos,lá estava o balão azul,inerte no chão,queria que ele voasse,girasse,teríamos um dia inteiro pela frente..Mas meu balão,não queria brincar comigo,será que ele estava doente,fui o que pensei..Ele continuava ali inerte..Meu balão azul partiu,um garoto de cinco anos,imaginei que ele foi para o céu dos balões,onde havia milhões,de todas as cores..Hoje sei que apenas o gás hélio que preenchia seu volume e o tonava mais leve que o ar,o fazia voar..Mas nunca queria descobrir esta coisas de adulto,queria continuar imaginar que o fazia voar era uma alma.uma alma que todos tempos que nos faz viver dias mágicos como este que dificilmente irei esquecer...

 Ronaldo Fernandes

11 de jan de 2011

MEU CORAÇÃO DÓI

Por um instante acreditei,por um segundo me vi em um futuro feliz,na sessão de achados e pedidos fui buscar meu coração,havia tantos outros corações perdidos,uma moça com um sorriso quase estático me perguntou como ele era..Eu disse que era um coração ferido,bastante machucado,mas cheio de sonhos..Mas todos eram iguais,como diferenciar um entre outros tantos..Algum sinal que o diferencie dos demais foi a pergunta da daquela moça..Pois todos que ali estavam,já estavam vazios e não batiam mais..Foi então que em um canto,sobre um livro de auto-ajuda meu pobre coração descansava,a poeira consumia seu franzino corpo..Com a voz baixa eu disse a ela que estava tudo bem,que finalmente poderíamos nós dois voltar pra casa,havia encontrado quem cuidaria da gente,quem nas noites frias nos aqueceria feito sopa de feijão..Coloquei-o de volta em minha caixa torácica.que por muito tempo se achava deserta,meu coração estranhou a primeira noite,sentia que algo estava diferente,um suave perfume arejava todo ambiente..Mas estava enganado,nunca deveria ter lhe trazido de volta coração,fui te procurar em meio a uma euforia na qual dei o nome de Amor,mas uma vez te fez chorar,te entreguei a quem não merecia e hoje te vejo assim,com o joelho entre os braços,sentado neste quarto,olhando pela janela e não querendo acreditar que esta dor e tão palpável,que uma lembrança qualquer machuca o peito feito espinho..Tinha seu Amor como uma religião,algo sagrado,só que agora não acredito mais nele,me tornei um Ateu,condenado as leis imutaveis da vida..A lei desta dor,que me mata aos poucos,com uma lentidão exata e prescisa..Um punhal que me é cravado pelas costas pela mesma mão que me acaricia e enxuga minhas lágrimas.


                                                                                                 Ronalldo Fernandes

9 de jan de 2011

RABISCO

Do papel poroso eu te crio,imagino seus cabelos e traço em teus olhos meu horizonte..Seus braços que faço abstrato,teu rosto és arte pura.Retraço seu retrato,perfeita simetria.A conjunção da mais bela harmonia em luz e sombra..Rascunho teu nome,apago meu erros,copio meu sentimentos,me lanço em cada linha.Destilo minhas lágrimas e da saudade crio tintas.A arte imita a vida,do giz ao lápis,da presença a distância,do papel a tela..Desenho você pra mim e meu coração é compasso marcado,o que sinto por você não se mede,não se escreve.não se esquece..

                                      Ronaldo Fernandes

Quem sabe, talvez.


Eu te esperei... Por noites quentes e dias frios.
Me perdi e me encontrei no mesmo ponto onde mais nada havia.
Insistia em meus pensamentos que você era tudo o que eu queria.

Te busquei no presente, passado e sonhei com nosso futuro.
Hoje entendi, que nada do que me oferecias era real ou seguro.

Tantos sonhos de amor, tanto fogo de uma paixão descontrolada.
Só queria em minha solidão, olhar em meu coração e não ver nada.

Desconstruí tua imagem perfeita, te fiz mais real do que jamais fostes em mim.
E, no entanto, sem venda nos olhos... É incrível como ainda te quero aqui.

Me despi das ilusões e aquela paixão se desfez...
Mas minha pele diz aos gritos, como eu te quero outra vez.

Gil Façanha

6 de jan de 2011

Noite passada...

Prazer desconhecida.
Bem vinda, sua entrada foi permitida.
Parabéns, você ganhou minha confiança.
Obrigada, por me fazer bem.

Vamos esquecer que existe tempo.
E que o sol estar nascendo.
Vamos conversar...
Contar aquelas recordações.

A noite já foi embora
Mas a madrugada é nossa.
Vamos dispensar os gritos
E murmurar enquanto falamos...

Tantos amores





Amores que vem, amores que vão
Amores possíveis, amores que não.


Amores presídios, amores liberais
Amores verdades, amores irreais.

Amores prazeres, amores carinho
Amores pra uma noite, amores pra um ninho.

Amores virtuais, amores normais
Amores um instante, amores um pouco mais.

Amores pudicos, amores perdição
Amores só um gemido, amores puro tesão.

Amores amizades, amores sem razão
Amores toda luz, amores escuridão.

Amores pra vida toda, amores toda hora
Amores enquanto dure, amores só agora.

Amores alegrias, amores qualquer dor
Seja lá qual for o tipo...
Que graça teria a vida sem as opções do amor?

Gil Façanha

4 de jan de 2011

Hoje



Hoje... Estou sozinha. Não porque me deixaste, mas porque entendi que nunca esteve aqui.
Hoje... Estou triste. Não porque te calas, mas porque tuas palavras foram todas em vão.
Hoje... Meu coração está vazio. Não porque você disse adeus, mas porque partiu sem olhar pra trás.
Hoje... Sou outra pessoa. Não porque me magoaste, mas porque o teu descaso faz com que eu não te queira mais.
Hoje... Estou de alma ferida, sentindo pena da minha própria vida, vendo os teus passos irem em outra direção.
Hoje... Lembro que dediquei todo meu carinho pra esquentar nosso ninho, e agora já não há mais retribuição.
Hoje... E apenas hoje, permito-me um instante de tristeza e dor. 
Mas quando o dia acabar e a lua se levantar, começo uma nova estrada... Pois ainda hoje, direi que a tristeza acabou.

Gil Façanha


3 de jan de 2011

Condenada sem apelação

Minha alma foi presa,
Encarcerada na fria cela da solidão,
Seus dias são angustiantes,
O tempo é riscado na parede,
Cada noite é um século vivido.

A espera do julgamento
Vagam pelo corredor outras almas
A caminho da condenação.

Acusada sem defesa e perante ao juiz do destino,
De todos seus crimes o mais grave foi o de te amar
E sem apelação, foi dado o veredicto.

Condenada, sua pena foi aplicada,
Vagará ao esmo,
Carregará em seu peito a marca da paixão
E por onde passar será reconhecida.

Rogue pela morte é o que todos dizem,
Já não há esperança, mas ela tem
A certeza de que um dia o Amor por ela recorrerá
E perante a tribunal da vida reconhecerá,
Que também foi seu cúmplice                                         

                                                                           Ronaldo Fernandes

Template by:

Free Blog Templates